Resenha: A Culpa é das Estrelas, por John Green ♥

Alguns infinitos são maiores que outros.


Gosto de livros tristes por eles darem a ficção uma versão mais próxima do realismo. A Culpa é das Estrelas tem essa tirada dramática, em certos pontos meio pessimista, mas ainda assim, tratando de uma realidade palpável. O tempo inteiro, vislumbramos a realidade de personagens que estão constantemente submetidos à tragédias e não somente à acontecimentos gratificantes. É como correr uma maratona que sabe-se que não vai conseguir ganhar, mas ainda assim correr.

Passei a maior parte da minha vida tentando não chorar na frente das pessoas que me amavam, por isso sabia o que o Augustus estava fazendo. Você trinca os dentes. Você olha para cima. Você diz a si mesmo que se eles o virem chorando, aquilo vai magoá-los, e você não vai ser nada mais que Uma Tristeza na vida deles. Você não deve se transformar numa mera tristeza, então não vai chorar, e você diz tudo isso para si mesmo enquanto olha para o teto. Aí engole em seco, mesmo que sua garganta não queira, olha para a pessoa que ama você e sorri.


Portadora de câncer, Hazel Grace sabe que só está viva graças a um medicamento experimental que pode muito bem parar de fazer efeito a qualquer momento. E ela lida relativamente bem com isso, lendo livros, assistindo American Next Top Model com seus pais e tentando aproveitar com sua família cada momento que pode ser o último de sua vida. Por outro lado, Augustus é sobrevivente de osteosarcoma, há um ano sem câncer, com uma perna a menos para comprovar sua experiência de quase morte. Gus vive uma constante busca pela felicidade, lutando para não ser esquecido, cheio de metáforas e palavras difíceis.


Como eu já disse, gosto desse tipo de livro que contém uma aura triste e, de certa maneira, mais realista. Em A Culpa é das Estrelas, podemos vislumbrar um pequeno raio não de esperança, mas de felicidade verdadeira. Apesar de ser portadora de uma doença que consome e degrada a pessoa aos poucos e, principalmente, de estar há muito tempo em fase terminal, Hazel é uma adolescente e apesar de tudo, tem certos sentimentos que não consegue afastar. O mesmo vale para Gus que, mesmo já tendo se machucado tanto, ainda insiste que se for para experimentar uma felicidade verdadeira, vale a pena qualquer tipo de sofrimento que venha com ela.

- Ah, eu não ia me importar, Hazel Grace. Seria uma honra ter o coração partido por você.


A Culpa é das Estrelas é, apesar de tudo, um livro otimista. É como mostrar para as pessoas que passam pela mesma situação de Hazel e de Gus que é possível ter essa felicidade, mesmo sofrendo com uma doença que não pode ser curada. John Green escreve de uma maneira bastante tocante, deixando o leitor bastante próximo da situação vivenciada pelos protagonistas e, também, pelas personagens secundárias, como a família de ambos. É um livro simples, mas profundo, que trata sobre dois grandes tabus: a vida e, é claro, a morte.

Parecia que tinha sido, tipo, há uma eternidade, como se tivéssemos vivido uma breve, mas infinita, eternidade. Alguns infinitos são maiores que outros.

Comments
4 Responses to “Resenha: A Culpa é das Estrelas, por John Green ♥”
  1. Samyle S. says:

    Nossa, já li algumas resenhas desse livro, mas nenhuma me interessou. Exceto a sua, está ótima, sério. Bem tocante, talvez eu até d~e uma chance...

    http://florescerepalavrear.blogspot.com.br/

  2. Rapha says:

    Nossa, eu estou doidinha pra ler esse livro, acho que vou chorar horrores, mas td bem hehehe
    adorei a resenha, tbm gosto de livros tristes.

    Beijao

  3. Rapha says:

    Obs: só de ler as resenhas pela blogosfera já fico com o coração palpitando imaginando toda a ahistoria da Hazel.

Leave A Comment