Resenha: Querido John, Nicholas Sparks

Nunca tinha lido um livro do Nicholas Sparks, só visto as adaptações cinematográficas que fizeram dos seus livros e esses filmes estão na minha lista de rever até secar meu estoque de lágrimas. Não sei se foi pela ansiedade de ler um livro do autor pela primeira vez ou pelo filme ter me emocionado tanto, mas eu esperava muito mais do livro Querido John. Do livro para o filme foram alteradas muitas coisas e me emocionei muito mais com o filme do que com o livro, isso é inquestionável. Não gostei muito da Savannah no filme, mas no livro eu simplesmente desenvolvi um ódio crescente pela personagem. No filme, ela tem um motivo concreto para casar com o Tim, mesmo que não esteja completamente apaixonada por ele. No livro, não foi bem assim. Claro, o momento era difícil para o Tim e para ela mesma, mas um grande amor que resistiu a anos, resistiria a mais alguns meses se a Savannah tivesse determinação suficiente para isso. Então, eis a minha opinião: John e Savannah não viveram felizes para sempre por culpa da Savannah.

Mas nem foi por isso que o livro me decepcionou. No filme, eu adoro a parte do prólogo, quando o John narra a leitura de uma carta, mas não diz pra quem ela foi escrita. E então, lá pro final do filme, ele começa a ler a carta para o paid ele. Aquilo me fez chorar de verdade e eu fiquei perplexa quando descobri que essa parte não tinha no livro. Em compensação, tem alguns momentos pai e filho que não mostra no filme e que me emocionaram no livro, mas a minha aprte preferida foi, tecnicamente, uma grande farsa. Sei que é exagero, mas é como ler uma fanfic que continua determinada saga. Você gosta, adora, ama, mas sabe que não conta porque, de um jeito ou de outro, não veio da cabeça do autor original. Ou é só paranoia minha.

De qualquer modo, notei uma coisa no livro e no filme. Não sei se fui apenas eu, mas me apreceu que o foco principal do Nicholas Sparks não era o romance John&Savannah, mas sim uma relação pai e filho, um descobrindo o outro, conhecendo um ao outro depois de anos de tentativas frustradas de se entenderem. Pra mim, esse era o ápice do livro e do filme. Descobrir uma relação que John julgava inexistente, descobrir que, embora não demonstrasse, seu pai o amava e se preocupava com ele mais do que tudo no mundo. Embora Nicholas Sparks possa ser prolixo algumas vezes, o livro não é ruim. Meu erro deve ter sido criar expectativas demais sobre um livro, imaginar que tudo no filme que eu adorei estaria no livro também.


Nós dois temos lembranças, é claro, mas aprendi que memórias podem ter uma presença quase física, quase viva, e nisso Savannah e eu também somos diferentes. Enquanto as lembranças dela são estrelas no céu noturno, as minhas compõe o assombrado espaço vazio entre elas. (p. 12)

Você é um herói e um cavalheiro, você é gentil e honesto, mas, acima de tudo, você é o primeiro homem que eu amei verdadeiramente. E não importa o que o futuro traga, você sempre será, e sei que minha vida é melhor por causa disso. (p. 192)



Comments
4 Responses to “Resenha: Querido John, Nicholas Sparks”
  1. Jenny' says:

    Ainda não li esse livro =/

  2. É muito lindo Gêmea, apesar de ter umas partes meio chatinhas e de eu ter achado o filme mais legal :)

  3. Aaah, eu já li muitos livros do Nicholas Sparks e ele nunca me decepciona. Se você amou querido john tem que ler A Ultima Musica,tb é perfeito!Embora tenha achado a Savannah meia charopinha em algumas partes, o john é maravilhoso e isso descreve o resto do livro!
    Todo o livro é absolutamente lindo,e a carta que ela manda pra ele terminando tudo me fez chorar litros.Concerteza se baseia mais no relacinamento do John e do pai,e tb não tem tudo que tem no filme,mas eu amei tanto o livro quando o filme por isso mesmo,cada um traz um modo de contar a história que nos deixa mais apaixonado ainda!
    Owwn,tem um trecho que também me marcou que foi esse: " (...) Mas eu a conheci. E é isso que torna minha vida atual tão estranha. Eu me apaixonei por ela enquanto estávamos juntos, e me apaixonei ainda mais nos anos em que ficamos separados. Nossa história tem três partes: um começo, um meio e um fim. Embora seja assim que todas as histórias se desenrolam, ainda não consigo acreditar que a nossa não durará para sempre”.
    Bua Bua Bua!

  4. Concordo Layla *-* e esse trecho é lindo mesmo, tá anotadinho no meu caderno de rabiscos *-*

Leave A Comment